Skip to main content
Tema
Notícias
O novo showroom da Vitra é um vaso comunicante entre Portugal e Espanha
Final de fevereiro. O sol de inverno inunda as ruas do bairro de Salamanca, no coração de Madrid. Entre galerias de arte, museus, fundações e lojas de marcas de luxo, o olhar deambula pelos edifícios arquitetonicamente interessantes, detendo-se aqui e ali em detalhes esculpidos numa ou noutra fachada.
Na Casa Relvas, saboreia-se o vagar entre vinho e azeite, com o Alentejo como pano de fundo
A Herdade da Pimenta, às portas de Évora, é o epicentro da atividade da Casa Relvas, que dá continuidade à história de uma família ligadaà terra ao longo de cinco gerações. Aquela que hoje está ao leme, orgulha-se de trabalhar para ‘deixar ficar tudo na mesma’. Para isso, foi preciso fazer diferente, preservando a natureza e as tradições, reinventando-se com os olhos postos no futuro.
O mundo de aventuras na versão Donald Trump
É cada vez mais claro para todos que Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos. O seu regresso coloca novos desafios a todo o globo – mas de algum modo aos europeus em particular. É que, nos quatro anos que medeiam entre a primeira e a segunda provável vitória de Trump, a Rússia invadiu a Ucrânia. E isso muda tudo. Ou então não: os europeus continuam a acreditar que, no fim, sobrevivem sempre – o que, até agora, tem sido verdade.
Correntes d’Escritas, 25 anos a escrever a história da expressão ibérica
Há certezas que o mês de fevereiro nos traz. Como aquela, citando Lídia Jorge, em que, “numa cidade portuguesa à beira do Atlântico, pelo menos durante uma semana, um pedaço de Utopia é possível.” Não é coisa pouca, tratando-se de um festival literário que celebra e difunde o património de expressão ibérica. E este ano não vai ser exceção. De 17 a 25 de fevereiro, todas as ‘Correntes’ desaguam na Póvoa do Varzim.
Todos ao IndieJúnior para ver cinema que descomplica
A 8ª edição do IndieJúnior Porto gira em torno do tema “Liberdade”. Dos 50 anos do 25 de Abril a reflexões sobre a sociedade de hoje, a imagem em movimento assume-se como ponto de partida para pensar o mundo atual e, também, para formar públicos que decifrem o futuro.
Mário Soares: da economia como mero instrumento político
Já não espanta ninguém que a economia seja a primeira preocupação dos políticos que tentam ascender à condição de primeiro-ministro e os portugueses há já muito que deixaram de achar estranho que a política seja uma espécie de alínea possivelmente dispensável no quadro geral das disposições económicas que enchem os discursos de todos os candidatos, quase sem exceção.
Ver mais
Aguarde