Skip to main content
Autor
João Barros
Jornalista
jbarros@jornaleconomico.pt
Notícias
BCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões
As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Preços dos ‘pellets’ e da lenha disparam com crise do gás
Possibilidade de inverno sem gás natural russo disparou procura no centro e norte da Europa de um sector altamente exportador. Preço dos ‘pellets’ mais do que duplicou e lenha de azinho custa mais 40%.
Bruxelas prevê queda do salário real de 3,15% este ano
Com uma previsão de aumentos nominais nas remunerações iguais às do Governo, mas com inflação nos 8%, salário real dos portugueses cai em 3,15% este ano. No próximo, Bruxelas aponta a 1,42%.
BCE alerta para riscos “claramente negativos” de curto-prazo
A inflação continuará elevada, obrigando a novas subidas dos juros diretores, e o fenómeno é motivado pelas dificuldades na oferta, mas também por procura mais forte após a pandemia. Diferença na inflação real entre famílias pobres e ricas está em máximos de 2006.
‘Sábio’ alemão queria juros a subir já no verão do ano passado
Volker Wieland defende que o BCE poderia estar já mais adiantado e agora avançar com mais moderação, dado que subida da inflação era “notória” já no ano passado. Taxa de 3% não vai resolver problema.
“É um péssimo sinal” o Estado dizer que vai apoiar na prestação da casa
O impacto esperado do PRR no crescimento em 2023 reforça a importância de um controlo adequado destes fundos, papel que a OROC está pronta a desempenhar, diz o seu bastonário. A conjuntura preocupa e o Estado não ajuda ao sinalizar ajudas a “qualquer situação adversa”.
Ver mais
Aguarde