Skip to main content
Autor
Luís Tavares Bravo
Economista, DIF Capital
Notícias
A inevitável queda de Trump?
Os debates presidenciais costumam ser momentos decisivos e, em 2016, o candidato republicano mostrou ser capaz de os rentabilizar a seu favor. Acresce que os Democratas defendem uma maior carga fiscal em favor de uma agenda verde, o que pode afastar o eleitorado.
A epidemiologia da retoma económica
De que forma poderemos esperar que aconteça a recuperação alicerçada, em primeiro lugar, na redução das restrições à mobilidade e, depois, nos apoios que vêm das novas respostas e incentivos da União Europeia? E o que esperar para Portugal?
As fichas de Portugal estão no Fundo de Recuperação Europeu
A forma como Portugal encarar o restabelecimento mais rápido de uma certa normalidade dependerá em muito da resposta europeia, sobretudo no que diz respeito ao formato final, aspeto-chave para se poder conter a severidade do impacto económico de curto prazo.
A ascensão das cidades da periferia
O modelo do trabalho à distância, mesmo que na solução parcial – a mais provável – traz benefícios e poderá influenciar o modo de vida de até um terço da população ativa na Europa, o que representaria, no caso nacional, cerca de um milhão de postos de trabalho.
Criar confiança num renovado Abril
O grande desafio de Portugal enquanto sociedade passa por conseguir ligar-se de novo a uma ambição, por incutir uma nova esperança aos portugueses, quer às gerações que se sentem defraudadas com o sistema, quer às gerações mais novas que se pautam por novas ambições de mobilidade económica e social e que estão desligadas do sistema.
A mudança da nossa era
A transição imediata para uma economia digital poderá trazer benefícios a curto prazo, criando maior resiliência financeira para as empresas, e poderá tornar-se definitiva. Isto irá implicar uma transição do mercado de trabalho, que não será isenta de impacte.
Ver mais
Aguarde