Skip to main content

Manifestações “Precisamos de um presidente que agarre o país”

Na Madeira, Porto, Lisboa e Algarve juntaram-se centenas de venezuelanos e de portugueses que deixaram o país de Maduro em busca de uma vida melhor. Desfilaram bandeiras, gritaram palavras de apoio a Juan Guaidóe alguns deles esperam um dia regressar. Mas só depois da mudança de regime.

Faltavam 15 minutos para a hora marcada e a Praça do Município, no Funchal, reunia cerca de 50 pessoas unidas na manifestação contra a manutenção de Nicolás Maduro no poder, ao som de música e de instrumentos.  Mas à medida que se aproximava a hora marcada este cenário começou a mudar. A praça foi ficando mais cheia e colorida com as cores da bandeira venezuelana na tarde de quarta-feira. Não era muito difícil encontrar várias gerações de madeirenses que foram viver para a Venezuela e agora regressaram. “As coisas estão muito piores. Saí porque temia pela segurança dos meus filhos”, contou ao Jornal_Económico Alexandra, uma das cerca de 400 pessoas que participaram nessa manifestação global contra a presidência de Maduro.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes, faça login ou subscreva o Jornal Económico